Um belo dia decidi mudar….Argentina

 “Aprendemos desde novos que cada povo tem sua cultura. Pensar assim deve ter me ajudado a não achar que o que não faz parte da minha cultura não é estranho. É somente o novo.” Élida Márcia

Élida Márcia num Café Argentino
 
  
É com essa ótima frase de completa abertura de espírito para o novo que o Inquietude Brasileira, após um breve recesso, voltou com tudo. Desta vez a entrevista será com uma brasileira que há 05(cinco) anos escolheu a terra dos nossos hermanos como seu lar. Isso mesmo, fomos parar na Argentina onde encontramos uma baiana apaixonada por esse país que muito lembra a Europa, mas bem pertinho do Brasil.
 
A entrevistada desmistifica a idéia de competitividade que se tem devido à disputa no futebol e deixa claro que há muita curiosidade dos argentinos quanto ao Brasil. Com ar mais sério, o argentino não tem o sorriso largo do brasileiro, mas quando lhe conhece são muito amigos.

 

 
Com o Mercosul ( Mercado Comum do Sul) há uma maior desburocratização que facilita a mobilidade entre os países envolvidos já que para entrar e sair deles país basta apresentar carteira de identidade. A Argentina, portanto, é uma ótima opção para visitar e conhecer uma cultura nova e diferente sem ir para muito longe.


 
Nome e idade
Élida Márcia
 
Terra Natal
Salvador/Ba -Brasil
 
Lugar em que mora atualmente e há quanto tempo.
Buenos Aires/ Capital Federal- Argentina. 5 anos.
 
Mora com quem?
Esposo.
 
É casado (a)? Tem filhos?
Sim . Não tenho filhos.
 
Já morou em outros lugares antes?
Não.
 
Teve dificuldades quanto a visto? Quais?
Não existe dificuldades quanto a visto, basta seguir os trâmites legais.
 
Do que sente mais saudade de sua terra natal?
Família
 
O que acha mais interessante do local/ pessoas onde mora atualmente?
Segurança pública e civilidade por parte dos cidadãos.
 
O que considera mais estranho/engraçado em termos de comportamento do local ou das pessoas daí?
Não considero nada estranho ou engraçado. Aprendemos desde novos que cada povo tem sua cultura. Pensar assim deve ter me ajudado a não achar que o que não faz parte da minha cultura não é estranho. É somente o novo.

Já precisou de atendimento médico? Como foi?
Poucas vezes. Tenho amigos médicos e na área que facilitam minha vida, graças a Deus. Mas já fui a um hospital público e não havia ninguém além de mim para ser atendido. Não posso avaliar mais que isso.


E o Clima?

O Clima é frio e me encanta mas temos um problema com a umidade, ou seja, os alérgicos custam a se adaptar. O calor é mortal, são dois meses (Janeiro e Fevereiro) que se padece muito com temperatura alta e clima seco. O argentino de um modo geral muda de humor de maneira abrupta quando faz calor. Eles não são do calor mesmo. Ar condicionado não é luxo.

E a Arquitetura?

Mudou bastante. Estão construindo muitos edifícios, embora ainda existam bairros que prseervam a estrutura das casas baixas com um andar no máximo. Estilo Paris.
O bairro mais novo da cidade me encanta, Com sua estrutura exuberante e imponente. Grandes edifícios, modernos e bastante seguro de um modo geral. Tudo isso em frente ao rio La Plata, que é onde se encontra a Ponte da Mulher.
Um outro lugar muito lindo é o Puerto Madero. Frequento restaurantes nele, e amo. Incluso um dos meus locais prefridos é o Hotel LLamado Faena.
 
Qual o meio de transporte que costuma usar?
Automóvel. Mas quando necessito ou quero o uso metrô ou coletivo sem problemas.
O transporte público funciona.
 
Como é a segurança pública onde mora?
Sem queixas graças a Deus.
 
Em algum momento sofreu discriminação por ser estrangeiro (a)?
Eu, não. Jamais.
Os argentinos sempre perguntam sobre o Brasil onde eu vou.
 
O que te inquietava e te fez decidir mudar de país?
Na verdade a princípio a motivação foi o fato de me apaixonar pela cidade.
 
Você trabalha com o que?
Sou economista e formada em Direito. Estou revalidando meu titulo de direito para fazer carreira judiciária aqui. A necessidade com toda certeza, faz-nos desenvolver habilidades antes desconhecidas.
 
Acha que a mudança de país fez desenvolver em você algum talento antes desconhecido? Qual?
Sim, muitos. O de aprender a lidar com qualquer dificuldade sem a família por perto. E o de cozinhar. Aprendi a fazer moqueca. (Risos)
 
Considera-se uma pessoa inquieta?
Sim.
 
Sabe a língua local? Considera importante?
Sim sei. Essencial.
 
Sabe falar mais alguma língua?
Não. Só estou começando o italiano, mas ainda é de “esquina”. Parei e agora vou voltar a me dedicar.
Conhece muita gente do seu país de origem onde mora atualmente? Não muitas. Tenho mais amigos Argentinos.
 
Como foi a adaptação ao país que vive? Tem amigos?
 Muito boa. Não tive problemas. Tenho amizades maravilhosas.
Alguns brasileiros não se adaptam aqui pela maneira de ser do argentino que são mais fechados, quando não conhecem. O que é normal. Eles não são muito solidários com o desconhecido de maneira genérica. Por exemplo não fazem questão de conhecer outras comidas, pois amam a deles.

Óbvio que existem exceções, mas d maneira genérica o Argentino nascido na capital é mais fechado mesmo, ainda na idéia de um passado de um país rico.
Aqui, no entanto, há restaurantes brasileiros e de outras nacionalidades também, mas um porteño dificilmente vai deixar um assado por uma moqueca ou outra comida. Eles são muito nacionalistas.
 
Sua visão de mundo mudou após essa mudança de vida? Qual foi a diferença? Obviamente. Aprender a conviver com outras culturas te leva a respeitar ainda mais o ser humano. E viver longe da sua família.
 
Como é custo de vida de onde mora?
Alto. A Argentina vive ainda tentando se levantar de uma grave crise econômica. Mas os argentinos aprenderam a conviver com isso.
 
Tem alguma dica para quem deseja morar aí? Qual?
 Tem que gostar de onde se quer viver.]
 
Pensa em morar em outro país diferente? Qual?
Na verdade não penso sobre isso.
 
Pensa em voltar para sua terra natal?
Não tenho pensado nisso. Vou sempre que posso e necessito.
 
Quais são seus planos para o futuro?
Sou feliz. O futuro a Deus pertence.

Buenos Aires vista de cima(foto de Élida Márcia)


 Élida em Madero Tango ( Puerto Madero)

 

 

Sê o primeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *